Os eventos estão chegando

 

O que muitos taxistas imaginam é que nada vá mudar para a categoria com os eventos internacionais que já começaram. Também pudera! Na reinauguração do Maracanã, foi triste constatar a ausência de baias para táxi ao redor do estádio. O ‘esquecimento’ das autoridades em relação ao taxista já vem de longa data.

 

De longa data também é a ausência de organização pública dos pontos de táxi da cidade. Propostas e mais propostas já foram feitas, mas nada de concreto foi realizado. Podemos lembrar os pontos eventuais – modalidade sugerida por taxistas – que poderiam suprir as necessidades de transporte em dias festivos, solenidades públicas, shows e mesmo jogos esportivos.  No caso do Maracanã, seria uma solução. Mas os taxistas são obrigados a parar do lado oposto da rua. Pior para o passageiro, que terá que andar cada vez mais.

 

Isso é novidade? Infelizmente, não. Durante os Jogos Panamericanos a situação foi a mesma. Filas e mais filas de táxis há quilômetros de distância obrigavam os passageiros a longas caminhadas por uma corrida. A situação se repete.

Apesar da descrença, há uma luz no fim da ponte. Os táxis que cruzam a Rio – Niterói podem ficar livres das multas do Detro. Pelo menos iniciativa não falta. Tanto da Alerj, estimuladas pelo deputado Dionísio Lins, que pretende criar o táxi fretamento, quanto pela Prefeitura, por parte do secretário municipal de Transportes do Rio de Janeiro, Carlos Roberto Osório. Parece clara a necessidade de flexibilização dessa norma, não só para o eixo Rio – Niterói, mas também para os táxis da Região Metropolitana. É cada vez mais comum passageiros se deslocarem entre essas cidades. Seria insano obrigar um cliente a descer de um táxi no limite municipal para apanhar outro.

 

Em tempos de Copa do Mundo e Olimpíadas, facilitar o deslocamento dos passageiros é fundamental. Importante também é prover os taxistas de ferramentas adequadas para o melhor atendimento. Muitos cursos de preparação estão sendo executados. Mas o tempo é curto para o preparo de milhares de profissionais ao atendimento turístico.

 

As questões judiciais também preocupam. A liminar que travou a movimentação de motoristas auxiliares entre permissionários também é um obstáculo à Prefeitura. O Município fica impedido até mesmo de preparar novos taxistas para o exercício da profissão.

 

A quem beneficia tal paralização? Como os taxistas já perceberam, essas questões não beneficiam a ninguém.

Visitantes online

Temos 31 visitantes e Nenhum membro online

Links Interessantes: Coruja Feed  | Agência Igloo Digital