Momento eleitoral

E as campanhas eleitorais estão a pleno vapor. Diversos taxistas também tentam representar a categoria em uma eleição que promete uma disputa acirrada. Entre os motoristas da categoria, a principal questão levantada nas reuniões é o combate aos carros irregulares que utilizam aplicativos.


Mas outra questão tira o sono dos taxistas do Rio de Janeiro. O excesso de rigor praticado por agentes da Guarda Municipal. As multas que aplicam diretamente aos taxistas são absurdas. Desembarcar passageiro virou infração de trânsito. Aranhões acidentais na carroceria são motivo de reboque. Arbitrariedades são praticadas a cada dia pela Guarda Municipal contra a categoria.


O candidato do governo à prefeitura do Rio, Pedro Paulo, tem visitado grupos de taxistas e ouvido reclamações diversas contra a atuação da Guarda Municipal. Os ânimos ficam exaltados. E ficarão mais ainda depois das declarações do deputado estadual Jorge Felippe Neto de que os agentes multam em excesso os taxistas por causa das metas estipuladas pela Guarda Municipal.


Outra denúncia do deputado é de que o aplicativo Uber recruta motoristas entre os agentes da Guarda Municipal, que fazem bico guiando os carros do aplicativo. Na praça, os boatos de que agentes públicos guiam carros piratas são frequentes. E antigos. Nesses anos todos de Folha do Motorista no Rio de Janeiro, muito pouco foi feito para de fato inibir este fato.


E a situação fica ainda mais confusa em Brasília. Para não bastar os problemas políticos que atrasam o Brasil há pelo menos dois anos, projetos e votações de significados dúbios deixam taxistas sem entender. Ainda não podemos afirmar se o projeto que pretende regulamentar aplicativos em geral é bom ou ruim para a categoria, ou mesmo para a população.


Temos que ficar ainda mais atentos a tudo. E o momento é este. Precisamos ir às urnas e deixar nossa opinião manifesta.