Descontos, carros particulares e crise: os dilemas do taxista

Os taxistas paulistas estão em um dilema. Praticamente sendo obrigados a dar descontos para que a tarifa de táxi se aproxime do que é cobrado pelos carros particulares, estão vendo sua renda mensal despencar. Por outro lado, as despesas do dia a dia não diminuíram, fazendo com que esses profissionais tenham dificuldades para manter suas contas no azul.


Os descontos começaram a ser praticados pelos aplicativos, porém, a custo do lucro do taxista. Ou seja: os apps anunciaram promoções mas não investiram um centavo nesse projeto, apenas repassando para o taxista o prejuízo.


Para os passageiros sempre é um bom negócio pagar menos. Porém, os taxistas estão em um dilema entre recusar os descontos e correr o risco de ficar sem trabalho, ou fazer corridas mais baratas e não fechar as contas no fim do mês. Além dos aplicativos que trabalham com carros particulares a crise financeira também contribuiu para a diminuição do número de atendimentos, e com isso a renda mensal de quem sobrevive do táxi caiu vertiginosamente.


Os aplicativos, após criarem um banco de dados com centenas de milhares de clientes graças ao trabalho dos taxistas, passaram a aceitar carros particulares, contribuindo para a diminuição do número de passageiros que optam pelo táxi. Juntando todos esses fatores, os profissionais da praça enfrentam uma situação de difícil solução.


Como consumidores todos nós adoramos um desconto. Porém, nos colocando do outro lado da moeda vemos a injustiça que está sendo cometida. Os taxistas têm contas como qualquer outro trabalhador, e ver o seu ganho reduzido de uma hora para outra desestrutura a vida de qualquer família. Mas, como sempre, o lucro predomina, e disso os aplicativos não querem abrir mão.